Como saber se sua ideia é inovadora, pode dar certo e gerar lucro?

Como saber se sua ideia é inovadora, pode dar certo e gerar lucro?

Fonte: Portal Administradores


É comum ouvir falar sobre inovação em empresas do Vale do Silício, em corporações com faturamentos milionários e companhias tecnológicas. Mas e as pequenas e médias empresas? Incorporar a cultura de inovação no dia a dia, como atividade habitual, em qualquer tipo de empresa – é mais simples do que se imagina. Inovar não é apenas criar um produto novo, mas também avançar os negócios de sua empresa, reinventar os processos internos e identificar oportunidades de ganhar mais, gastando menos. 

Dados da Serasa Experian mostram que, em 2017, surgiram 2,2 milhões de novos empreendimentos no Brasil. Infelizmente, um terço destas novas empresas fecha em 2 anos. Qual o principal motivo disso? Além da gestão, a falta de inovação figura entre os vilões para o desenvolvimento de uma empresa. 

Às vezes, a empresa é inovadora, mas sua proposta oferecida para o mercado não atende às necessidades do público. De nada adianta uma ideia genial ou uma tecnologia inovadora se elas não resolvem um problema real dos consumidores. Antes de criar um produto, é necessário pensar nesta resposta e testar o ‘coração’ da sua ideia. 

Antes de iniciar este processo, é preciso ter em mente algumas premissas. A primeira delas é de que a inovação precisa de velocidade para acontecer. Hoje, nenhuma empresa pode ser inovadora se não for veloz, tanto nas fases de pesquisa e desenvolvimento quanto na especificação e no modelo de produção e entrega de serviços. Outra premissa é de que perfeição é evolutiva. Um produto ou serviço de sucesso não é criado de uma hora para outra. É fruto de um processo evolutivo, no qual cada interação é um passo em direção ao produto perfeito. 

Para saber se sua ideia é inovadora, pode ser aplicável e gerar lucro, desenvolvemos um processo de criação e execução de provas de conceito, chamado de Proof of Concept Design, ou PoC Design. O objetivo é testar projetos e avaliar não apenas a viabilidade técnica, mas principalmente se os usuários desejam a solução e se estão dispostos a pagar por ela, antes de colocá-la no mercado. A metodologia viabiliza a inovação no dia a dia da empresa, com agilidade e aumento das chances de sucesso. O modelo pode ser aplicável a qualquer cenário de negócios e a todos os perfis de empresas e compreende cinco etapas: Imersão, Ideação, Priorização, Prototipação e, por fim, o Teste. 

 Em dois anos de atuação, a Action Labs já executou mais de 80 projetos e tem mais de 15 produtos lançados – uma média de pouco mais de um produto criado a cada dois meses. A utilização do PoC Design nos permitiu testar a viabilidade técnica de uma série de ideias e verificar como seria sua aceitação no mercado. 

A inovação não é um momento de genialidade, mas um resultado de uma postura de negócios e de processos que tornam a empresa “fértil” para a inovação. É preciso criar rotinas e procedimentos que colocam a inovação no dia a dia da empresa. A experimentação, rápida e com custo relativamente baixo, pode virar uma rotina de negócios para empresas de todos os portes.